Blog news

20 CIDADES MAIS AMIGÁVEIS DO BRASIL

20 CIDADES MAIS AMIGÁVEIS DO BRASIL

Quando pensamos nas férias, além das atrações e dos inúmeros roteiros de diversão, no fim o que importa é saber que estamos em boas mãos. Seja nos serviços do hotel, no tipo de cozinha e restaurantes oferecidos no destino, e ainda, na hospitalidade e na cultura de seu povo.

As dicas e sugestões dos viajantes são sempre fundamentais na hora de escolher entre tantas alternativas. Portanto, pode seguir firme no planejamento de sua próxima viagem e, porque não, levar esses destinos em consideração.

Sendo assim, nós reunimos as 20 cidades mais acolhedoras do Brasil com base em comentários dos usuários da Expedia Brasil. Foi levado em consideração o conforto hoteleiro, destacando os motivos para visita como: hospitalidade, comodidade e tranquilidade. A pontuação mais alta entre as cidade foi de 4.76 de 5 e a última cidade obteve uma pontuação de 4.13. Abaixo seguem as 20 melhores.

 

  1. Ouro Preto, Minas Gerais

A charmosa cidade histórica é uma das principais regiões do Ciclo do Ouro e se envaidece por abrigar o maior – e belíssimo – conjunto arquitetônico do barroco brasileiro. É fácil se esbaldar no café da manhã com os sabores da cozinha mineira e depois continuar o deleite garimpando peças nos antiquários e lojas de artesanato espalhadas pelas lindas ruas de paralelepípedos da Rua Direita.

vista de Ouro Preto

Vista de Ouro Preto.

 

  1. Olímpia, São Paulo

A capital nacional do folclore não podia demonstrar mais orgulho pelo merecido título.  Além de expor um dos maiores acervos sobre o tema no Museu do Folclore, todos os anos em agosto a cidade presenteia os turistas com um espetáculo incrível durante o Festival Nacional do Folclore. Para relaxar em grande estilo, o Clube Thermas dos Laranjais oferece piscinas de fonte mineral naturalmente aquecidas pelas rochas submersas.

 

  1. Londrina, Paraná

Moderna e em constante desenvolvimento, a maior cidade do norte do Paraná ganha pontos com a excelência na prestação de serviços e sua hospitalidade. Destaque para o importante festival internacional de teatro que acontece todos os anos em junho; e as atrações da Rota do Café – roteiro que percorre museus, restaurantes e fazendas históricas, incluindo a Vinícola Casa Müller e sua produção de vinhos coloniais artesanais.

 

  1. Bauru, São Paulo

Com muitas características de cidade interiorana, o parque Águas Quentes de Piratininga comprova a harmonia da natureza com as piscinas termais e até praia artificial. Para conhecer as tradições como um verdadeiro bauruense, o famoso sanduíche batizado com o nome da cidade é servido em dez variações no Bauru Chic, e o churros da Praça da Paz não pode ser deixado de fora da viagem.

vista da estação de trem de Bauru

Vista da estação de trem de Bauru.
Foto por: Flickr/Creative Commons/Cássio Abreu/Via/https://flic.kr/p/5Gkq1S

  1. Santo André, São Paulo

Uma das principais cidades do Grande ABC oferece um clima todo especial na Região Metropolitana de São Paulo. A Vila de Paranapiacaba é um bom exemplo, que ainda guarda o patrimônio arquitetônico de estilo vitoriano mais importante do Brasil. O Sabina Parque Escola do Conhecimento “esconde” um centro de ciências interativo com direito a planetário, fósseis de dinossauros e a simpatia dos pinguins.

Santo André à noite

Santo André à noite.
Foto por: Ana Freitas (Flickr) [CC BY 2.0 (http://creativecommons.org/licenses/by/2.0)], via Wikimedia Commons

  1. Itajaí, Santa Catarina

O encontro do rio com o mar já dá o ar de elegância que recebe os visitantes de braços abertos no litoral de Santa Catarina. A tradição do Mercado Velho – uma combinação perfeita de bar, restaurante e comércio local – é ainda mais concorrida nas tarde de sábado com as apresentações de samba e chorinho. Em outubro a cidade celebra a Marejada – Festa Portuguesa e do Pescado, o maior evento popular da região.

Itajaí vista de cima

Itajaí vista de cima.
Foto por: emarquetti from Brazil (Flickr) [CC BY 2.0 (http://creativecommons.org/licenses/by/2.0)], via Wikimedia Commons

  1. Gramado, Rio Grande do Sul

A magia fica por conta das raízes culturais dos descendentes europeus em praticamente cada cantinho da cidade, incluindo os hotéis em Gramado. No coração da Serra Gaúcha, as ruas floridas, as temperaturas que podem cair abaixo de zero e o povo acolhedor tornam qualquer ocasião ainda mais especial. O Snowland, primeiro parque de neve indoor das Américas, recria um vilarejo alpino com atrações o ano inteiro.

 

  1. Poços de Caldas, Minas Gerais

É com o clima de montanha e o cheiro da natureza da Serra da Mantiqueira que uma das melhores estâncias hidrominerais da América Latina acolhe os turistas. Essa mistura é mais do que um convite para apreciar os prazeres da cozinha mineira e, no inverno, uma boa lareira. Nos dias mais quentes, cachoeiras e cascatas são perfeitas depois de uma trilha na mata.

 

  1. Vitória, Espírito Santo

Seja pelo charme de suas praias ou tradições históricas, Vitória é uma delícia em qualquer época do ano. No passeio das Montanhas Capixabas dá para conhecer a Rota do Lagarto e a famosa Pedra Azul. O encanto continua em Venda Nova do Imigrante, na rota de agroturismo que visita as fazendas das tradicionais famílias que abrem suas portas para os turistas degustarem as delícias regionais como licores, doces, queijos e cafés.

 

  1. Blumenau, Santa Catarina

Listada entre as dez maiores e melhores cidades do Brasil, a simpática Blumenau também leva a fama como o Capital Brasileira da Cerveja. Fazendo jus ao título, tem museu, festival nacional e ainda é a casa da maior festa alemã da América do Sul, a Oktoberfest. Um passeio pelas obras da Rua XV de Novembro é crucial – comece pela Estrada de Ferro em direção ao Museu da Família Colonial.

 

  1. São José dos Campos, São Paulo

Aqui a graça fica por conta do contraste do desenvolvimento industrial com a natureza. O principal município da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e o mais importante polo aeronáutico e aeroespacial da América Latina tem parques lindos, praças e ruas arborizadas por todos os lados. A pequena vila de São Francisco Xavier descortina um cenário de montanhas e vales no meio da Serra da Mantiqueira.

 

  1. Tibau do Sul, Rio Grande do Norte

O paraíso tropical é aqui. Casa da Praia da Pipa, considerada uma das mais cosmopolitas do país, a cidade do litoral do Rio Grande do Norte oferece paisagens em meio a Mata Atlântica e atrações difíceis de não se apaixonar. Além dos ilustres santuário de golfinhos e o berçário de tartarugas marinhas, tem os manguezais e viveiros de camarões na Lagoa de Guaraíras, além do pôr do sol na Praia de Cacimbinhas.

Tibau do Sul

Tibau do Sul.
Foto por: Bjørn Christian Tørrissen – Travel photos by the uploader, see more at http://www.pvv.org/~bct/brasil3/, GFDL, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=4385877

  1. Cuiabá, Mato Grosso

Motivo para aparecer na lista é o que não falta. Porta de entrada do Pantanal e ponto de partida para desfrutar das cachoeiras e grutas da Chapada dos Guimarães, a cidade é um museu natural. Assim como sua cozinha típica recheada de sabores à base de peixes da região. Vale nota para o atendimento e as delícias do rodízio de peixes acompanhado de pirão, farofa de banana da terra e salada, da Peixaria Lélis.

 

  1. São Paulo, São Paulo

A terra da garoa ostenta roteiros culturais e gastronômicos comparados com as metrópoles mais importantes do mundo – são cerca de 15 mil restaurantes servindo mais de 50 tipos de cozinha. Na selva de pedra, a imensidão do Parque do Ibirapuera se torna um aconchego e, desde as origens do Mercado Municipal, o sanduíche de mortadela o pastel de bacalhau são as estrelas.

 

  1. Ribeirão Preto, São Paulo

O agronegócio impulsionou a cidade que hoje é reconhecida como uma das mais ricas do interior de São Paulo e o segundo polo gastronômico do estado. Seguindo os aromas, vale um almoço de domingo com direito a chorinho ao vivo no Mercadão; uma casquinha de figo da Sorveteria do Geraldo e, sem dúvida, um chope cremoso do septuagenário bar Pinguim.

 

  1. Lagoa Santa, Minas Gerais

Quem dá as boas vindas na Região Metropolitana de Belo Horizonte é um cenário caracterizado por cavernas, vales secos, paredões rochosos e rios subterrâneos. A beleza do Sítio Arqueológico de Lagoa Santa é incomparável, assim como a Lapinha, uma das grutas mais famosas de Minas Gerais.

 

  1. Juiz de Fora, Minas Gerais

Cidade referência na Zona da Mata mineira, o ponto de encontro por lá é o Calçadão da Rua Halfeld. O povo hospitaleiro e os artistas da Feira de Artesanato da Praça São Mateus se orgulham dos costumes de sua gente. Um exemplo é o “melhor torresmo do Brasil” servido no Bar do Bigode, desde a década de 70. E para apreciar uma vista sem igual, o lugar é o Morro do Imperador.

 

  1. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

O estilo, o gingado e a irreverência dos cariocas estão por todos os cantos da Cidade Maravilhosa. Assim como o sotaque arranhado, o otimismo e a imensidão de paisagens de cair o queixo. Além das praias, seus encantos ao ar livre incluem a Lagoa Rodrigo de Freitas, o Parque do Flamengo e a Floresta da Tijuca. As ruelas do bairro de Santa Tereza e um happy-hour na boemia da Lapa também são imperdíveis.

 

  1. Florianópolis, Santa Catarina

As 32 ilhas que formam o município revelam mais de 100 praias que justificam o carinhoso apelido de “Ilha da Magia”. A capital guarda tesouros de mais de 6 mil anos com registros indígenas e artes rupestres. Tem a movimentada Lagoa da Conceição ou a tranquilidade da Lagoa do Peri. O estilo açoriano de Santo Antônio de Lisboa contrasta lindamente com as imponentes fortalezas de Ribeirão da Ilha.

 

  1. Arraial do Cabo, Rio de Janeiro

A cidade de casario baixo e ruas apertadas também preserva os traços marcantes do litoral brasileiro. Lagoas e praias de mar transparente, dunas branquinhas e os costões sem fim. Consideradas algumas das riquezas da região, ponto para a Praia do Forno e as prainhas do Pontal do Atalaia.

Handplanes surfing a origem

A origem da prancha não é exata. Alguns acreditam que o handsurf , nome dado à modalidade praticada com o handplanes , teve início no Havaí, após o desenvolvimento do surfe de peito, um esporte que surgiu da observação de golfinhos brincando nas ondas.

O fato é que, entre os brasileiros, o sucesso desse “jacaré” turbinado aumentou principalmente devido ao programa “Homem Peixe”, do Canal Off, estrelado por Henrique Pistilli. Fã da produção, Bruno Reis pratica o esporte há pouco tempo, depois de se encantar com as manobras vistas no documentário:

— Ganhei meu primeiro pé de pato do meu irmão, que surfava. Peguei gosto e comecei a ir frequentemente com ele para o mar. A gente via o programa juntos, e ele me deu a primeira handplanes. A prancha dá mais velocidade, mais emoção ao descer a onda. A adrenalina é muito boa.

veja as Handplanes produzidas para nossa equipe MORETTO ECO BOARDS

 

handplanes surfing

handplanes surfing

Eddie would go

The Eddie: A Lot Can Change in 7 Years

Words: Brendan Buckley

The human body is capable of undergoing massive transformations in that span of time. Revolutions can arise. Empires can fall. Trends can come, and trends can most certainly go. But one thing that cannot change in seven years — or any amount of time, for that matter — is the spirit of The Quiksilver In Memory of Eddie Aikau surf contest.

The event is an invite-only gathering at Waimea Bay on the North Shore of Oahu, and it has not run in 7 years. Every other surf contest in the world is centered around the ocean and leaves the decision-making up to the people, but The Eddie changes that. It allows the ocean call the shots. It provides an empty sheet and a ballpoint pen, but the script is only to be written by the forces of the wild. The event won’t run unless the waves are big enough to shake the earth and conditions like that are a bona fide rarity. In its 31-year history, The Eddie has only been held 8 times.

“That’s one of the things that makes it so special,” says invitee Jamie O’Brien. “They don’t call it three or four days in advance. We see a swell coming and everybody comes over to Hawaii if they’re not already here. Then we wake up that day and if it’s on, it’s on. “

As fate has it, we’re currently seeing a swell coming and for the first time in 6 years the event has been green-lit.

2009 was the last time The Eddie ran. Andy Irons surfed in it that year. Instagram didn’t even exist back then. John John Florence was only 16 and Boom Boom Pow by The Black Eyed Peas was officially the hottest song of the year. Thankfully, some things have changed.

Some things will be different this year. The roster is ever-evolving, and each ceremony features a different list of surfers. Big wave surfing itself has changed a lot in those years. But something that hasn’t changed is the spontaneity of it all. The realness, the rawness. The spirit of The Eddie.

February 10, 2016, the Bay will call the day.